CONSELHO EDITORIAL - EDITORIAL -

POLÍTICA EDITORIAL - NORMAS PARA PUBLICAÇÃO - CONSELHO EDITORIAL - EDITORIAL - QUEM SOMOS CONTATO

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS LINGÜÍSTICOS  - DIALETO CAIPIRA

 

Nova pagina 1 Nova pagina 1

 

 .: Página Inicial

 .: Agenda de Eventos

 .: Anais de Eventos

 .: Artigos

 .: Artigos de Iniciação Científica

 .: Blog

 .: Colunas

 .: Dicas de Leitura

 .: Dossiê

 .: Ensaios

 .: Entrevistas

 .: Fototeca

 .: Lançamento de Livros

 .: Legislação Lingüística

 .: Livros

 .: Monografias

 .: Notícias

 .: Projetos

 .: (Re)Ler os Clássicos Hoje

 .: Reportagens

 .: Resenhas

 .: Sugestão de Material Didático

 .: Tradução de Textos

 .: Textos Literários

 .: Vídeos Didáticos

 .: Edições Anteriores

 

Veja também

 


Ceditec

 


Domínio Público

 


GEScom

 

GETerm

 


Institut Ferdinand de Saussure

 

 
Portal de Periódicos Capes

 

 
Portal de Revistas Científicas Persee

 


Revue Texto!

 


Texto livre

 

TRIANGLE

 

UEHPOSOL

 

Universia

 

 

Creative Commons License

 

 

NAQUELLES ANNOS AQUILLO ALLI ERA U´A PHOTOGRAPHIA

 

Por Roberto Gomes

 

Temos mais uma reforma ortográfica pela proa. O que dará muita dor de cabeça aos escrevinhadores em geral e a este pobre cronista em particular.

Os primeiros livros que li eram da biblioteca de meu pai, o que incluía livros vindos da biblioteca de um primo distante, que viveu no início do século XX, além daqueles que eu retirava da biblioteca pública de Blumenau. Todos obedeciam a velhas convenções ortográficas.

Sem boas livrarias na cidade e não tendo dinheiro para comprar livros novos, eu lia edições publicadas havia meio século. No cardápio, Machado de Assis nas edições Garnier, um vício do qual não me livrei até hoje. Continuo convencido de que Machado deve ser lido sempre nas edições Garnier; o leitor tomaria um vinho francês numa caneca de porcelana?

Isso significa que li os primeiros livros – os mais marcantes – em edições feitas segundo uma convenção ortográfica anterior àquela na qual fui alfabetizado. Nelas havia uma profusão de “seccado, despeza, á socapa, aquillo, affluiu, caracteres, naquelle, annos, edade, estupido, collocal-os, d’ahi, fel-o, bellas, pharmacias, cousas, vae, alli, creação, sahires, photographia, defuncto, rheumatismo, affecções, mez”. Foi o meu primeiro conflito com a ortografia. Habitava dois mundos: o dos livros escolares e, um outro, velho de uns cinqüenta anos.

Naquele momento estava em vigor a ortografia fixada em 1943. Em 1971, novas mudanças – despencaram alguns acentos, pelo que lembro. O resultado é que fiquei ainda mais confuso. Coexistiam em minha pobre cabeça convenções que vinham de 1911 e alcançavam 1971. Com minha notória capacidade de misturar alhos com bugalhos, para usar uma expressão ainda mais antiga, acabei criando confusões imensas.

Vem daí minha hesitação quando devo grafar certas palavras. Misturei várias ortografias e fico sofrendo para me lembrar se despesa é com z ou com s. A ortografia me parece um terreno movediço que flutua segundo a arbitrariedade das leis dos homens. Caiu ou não aquele acento? É diferencial? Havia uma implicância suspeita com relação ao acento diferencial. E aquele acento agudo que, em alguns casos, virava oblíquo? Por isso acabei fã de palavras proparoxítonas – levam acento e acabou-se. Que não se mexa nelas!

Agora, esse tal acordo ortográfico dos países lusófonos, sobre o qual eu e mais uns cento e oitenta milhões de brasileiros não fomos consultados. E justo quando o corretor ortográfico do Word me passava a sensação de ter afinal chegado ao paraíso.

Mas há equívocos. Em primeiro lugar, essa reforma não implica qualquer mudança na “língua portuguesa”, conforme ouvi um membro da Academia Brasileira de Letras dizer. Mudam apenas certas convenções ortográficas, não mais.

Não sei também se isso contribui realmente para “unificar” a língua que praticamos. Estou relendo no momento Os Maias, do Eça. Há nesse romance inúmeras frases incompreensíveis para um brasileiro. Não por razões ortográficas. O significado das palavras, seu desuso, o fato de designarem objetos que sumiram – o que o leitor acha que era uma tipóia? Além disso, a ordem das palavras, o modo de arranjá-las, o uso de pronomes, certos tempos verbais, certas expressões, tudo isso causa ao leitor brasileiro algum desconforto.

Nada disso está ligado à ortografia. Então, me parece que o alarde em torno desta reforma é falso. Desconfio que possa ser mais uma bobagem lusófona: colocar o secundário no lugar do principal.

Manoel Carlos Karam, meu querido amigo, me dizia uma coisa ótima: o que o incomodava era o prejuízo gráfico. Por exemplo: estava acostumado ao trema, um grafismo indissociável de certas palavras a seu ver. Por isso, a tal reforma anunciada causava nele um grande desgosto. Ademais, o trema lhe parecia belíssimo.

Um dia, faz tempo, contei meus sofrimentos ao professor Eurico Back, enquanto tomávamos cafezinho numa antiga saleta da Universidade Católica. Ele me ouviu atentamente, com um olhar divertido, e me aconselhou, com a serenidade dos sábios:

- Não dê a menor importância a essas coisas. Quando ficar em dúvida, abra um dicionário e pronto.

 

E-mail: robertogomes@criaredicoes.com.br


 

 

 
     

_______________________________________________________________

 

Todos os textos aqui publicados podem ser livremente reproduzidos, desde que

 sem fins lucrativos, em sua versão integral e com a correta menção ao nome

do autor e ao endereço deste site.

_______________________________________________________________

 

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS - Campus São Carlos

Rodovia Washington Luís (SP-310), Km 235

São Carlos - São Paulo - Brasil

CEP 13565-905

Telefone: (16) 3351-8358 (Departamento de Letras)

E-mail: linguasagem@gmail.com