CONSELHO EDITORIAL - EDITORIAL -

POLÍTICA EDITORIAL - NORMAS PARA PUBLICAÇÃO - CONSELHO EDITORIAL - EDITORIAL - QUEM SOMOS CONTATO

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS LINGÜÍSTICOS  - DIALETO CAIPIRA

 

Nova pagina 1 Nova pagina 1

 

 .: Página Inicial

 .: Agenda de Eventos

 .: Artigos

 .: Artigos de IC

 .: Blog

 .: Colunas

 .: Ensaios

 .: Reflexões sobre o Ensino de Língua(s)

 .: Textos Literários

 .: Edições Anteriores

 

Veja também

 


Ceditec

 

Comunidade dos Países

de Língua Portuguesa

 

Dicionário de Termos Lingüísticos


Domínio Público

 


GEScom

 

GETerm

 

iLteC

 


Institut Ferdinand de Saussure

 

 
Portal de Periódicos Capes

 

 
Portal de Revistas Científicas Persee

 


Revue Texto!

 


Texto livre

 

TRIANGLE

 

UEHPOSOL

 

Universia

 

 

 

 

POLÍTICA EDITORIAL

  

Redação LINGUASAGEM

 

Na avaliação realizada no PISA - 2006 com alunos brasileiros dos ensinos fundamental e médio constatamos que os nossos estudantes obtiveram um dos piores desempenhos no tocante ao aprendizado dos saberes científicos, relacionados a três grandes áreas de aplicação: ciências da vida e da saúde, ciências da terra e do meio ambiente e ciência e tecnologia. Nessa avaliação levamos bomba, amargando o vexatório 52° lugar no ranking mundial. Todavia, se realizássemos uma pesquisa para avaliar o aprendizado dos nossos alunos no tocante aos saberes produzidos pelas mais diversas ciências da linguagem, o quadro, se é que é possível, seria mais desolador ainda.

Para a grande maioria da população brasileira, inclusive a que detém um alto grau de escolaridade, um profundo conhecimento científico em outras áreas, as questões de linguagem se resumem à dicotomia do certo e do errado. Para essas pessoas as gramáticas normativas, os dicionários e, raramente, alguns saberes sobre etimologia são ainda o único parâmetro de avaliação para questões de linguagem. Esse olhar único, prescritivo sobre a linguagem tem desencadeado ao longo dos anos bastante discriminação e preconceito.

A Revista Eletrônica de Popularização Científica em Ciências da Linguagem – Linguasagem – criada pelo Departamento de Letras e pelo Programa de Pós-Graduação em Lingüística da UFSCar, iniciativa inédita no Brasil, busca dar a circular outros olhares que não o prescritivo e preconceituoso sobre a linguagem. A Revista tem na Declaração Universal dos Direitos Lingüísticos e no Dialeto Caipira de Amadeu Amaral os seus princípios norteadores. Esses dois textos funcionam como uma espécie de baliza filosófica das edições. Trata-se de um gesto político que visa por um lado a contribuir para uma minimização do olhar prescritivista e preconceituoso existente na nossa sociedade sobre a linguagem e as suas mais diversas discursivizações e, por outro, uma tentativa de barrar a crescente mercadologização da língua na grande mídia.

A Linguasagem é uma publicação mensal aberta a pesquisadores do Brasil e do exterior que estejam desenvolvendo trabalhos de pesquisa e de tratamento didático da linguagem nas mais diversas escolas e domínios das Ciências da Linguagem. Os trabalhos nela publicados, portanto, não se inscrevem numa única escola ou domínio das Ciências da Linguagem. O Objetivo é dar a circular textos na forma de artigos, ensaios, artigos de iniciação científica, monografias, resenhas, etc que, a partir de diversos mirantes teórico-metodológicos e didáticos, tomem a linguagem como objeto. Textos de outros campos do saber somente serão avaliados e, eventualmente publicados quando estiverem, de alguma forma, interagindo com as Ciências da Linguagem. O português, o inglês, o espanhol, o italiano e o francês são as línguas aceitas para publicação.

A Linguasagem avaliará os trabalhos recebidos em dois momentos. No primeiro, realizado pelos editores, o texto poderá ser desqualificado se: a) não estiver de acordo com as normas da revista e da ABNT; b) for apenas uma revisão de literatura sem posicionamento crítico; c) apresentar redação imprópria (inadequação quanto aos gêneros aceitos pela revista, problemas de coesão, coerência, etc.); e d) apresentar problemas de formatação (parágrafos muito longos, feitos na barra de espaços, linhas em branco entre parágrafos e referências, gráficos e figuras que necessitem de programas específicos para serem lidos, etc.). No segundo momento, os textos selecionados no primeiro momento são enviados a dois consultores anônimos do conselho da Revista que a partir de uma análise criteriosa avaliarão as suas qualidades de escrita, de conteúdo, de adequação aos postulados teórico-metodológicos mobilizados, etc. Se os dois pareceres forem negativos, o trabalho é desqualificado, entretanto havendo discordância de pareceres, um terceiro parecer é solicitado.

A Linguasagem toma a liberdade de realizar pequenos ajustes de formatação e de conteúdo nos artigos que forem aceitos e que eventualmente necessitarem. Quando os pareceristas sugerirem alterações de estrutura, de conteúdo ou de postulados teóricos mais profundos, estes somente serão incorporados mediante a autorização por escrito dos autores. A Revista encaminhará aos autores os artigos que forem aprovados com restrição para que sejam reformulados. Caso as modificações neles introduzidas não atendam às solicitações feitas pelos pareceristas, a Comissão Editorial recusará o texto.

Os autores serão comunicados por e mail do recebimento de seu texto. A Revista se compromete em responder aos autores em até oito dias a partir da data do seu recebimento. O resultado da avaliação será comunicado aos autores no prazo máximo de três edições da Revista. Os artigos de Linguasagem somente serão publicados mediante a autorização expressa de seus articulistas, sobre estes recaem as respectivas responsabilidades legais relativas às informações dadas a circular em seus textos.
 

 

 

 

 

Todos os textos publicados podem ser livremente reproduzidos
 

 

 

Creative Commons License

 

Todos os textos publicados podem ser livremente reproduzidos, desde que sem fins lucrativos, em sua versão integral e com a correta menção ao nome do autor e ao endereço deste site.