CONSELHO EDITORIAL - EDITORIAL -

POLÍTICA EDITORIAL - NORMAS PARA PUBLICAÇÃO - CONSELHO EDITORIAL - EDITORIAL - QUEM SOMOS CONTATO

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS LINGÜÍSTICOS  - DIALETO CAIPIRA

 

Nova pagina 1 Nova pagina 1

 

Página Inicial

Especial - Acordo Ortográfico

Agenda de Eventos

Artigos

Blog/Notícias

Colunas

Dossiê António Botto

Dossiê Tradução & Tradutores

Ensaios

Entrevista

Polêmica nas Letras

Resenhas

Textos Literários

Tradução

Edições Anteriores

 

Veja também

 


Biblioteca Digital Mundial

 


Ceditec

 

Comunidade dos Países

de Língua Portuguesa

 

Dicionário de Termos Lingüísticos


Domínio Público

 


GEScom

 

GETerm

 

iLteC

 


Institut Ferdinand de Saussure

 

Letras.etc.br

 

Portal da Língua Portuguesa

 
Portal de Periódicos Capes

 

 
Portal de Revistas Científicas Persee

 


Revue Texto!

 


Texto livre

 

TRIANGLE

 

UEHPOSOL

 

Universia

 

 

 

LITERATURA E ENSINO

Por Josalba Fabiana dos Santos e Luiz Eduardo Oliveira

Resenhado por Amael Oliveira[1]

 

O livro Literatura & Ensino (2008, 150 p.) organizado pelos professores Josalba Fabiana dos Santos e Luiz Eduardo Oliveira, ambos docentes do Núcleo de Pós-Graduação em Letras (NPGL) da Universidade Federal de Sergipe (UFS), realiza um levantamento das várias correntes de estudos literários desenvolvidas em diversos centros acadêmicos do país.

Além dos artigos dos organizadores, o trabalho ainda recebe a contribuição de Regina Zilberman (UFRGS), Marisa Lajolo (UNICAMP), Ildeney Cavalcanti (UFAL), Belmira Magalhães (UFAL) e de mais dois pesquisadores do NPGL da UFS, Carlos Magno Gomes e Ana Leal Cardoso. O livro, como o próprio título deixa transparecer, visa à aproximação entre os estudos de literatura e a prática docente, procurando problematizar as múltiplas leituras da formação universitária em Letras.

A problemática da formação docente já é introduzida no primeiro artigo da coletânea. No “Cânone literário e identidade nacional”, Josalba Fabiana dos Santos propõe uma relação entre o processo de seleção das obras classificadas como representativas da nacionalidade brasileira e a constituição da própria identidade de caráter nacional. Para a pesquisadora, a seleção dos textos pode expressar o autoritarismo de uma sociedade que silencia as múltiplas vozes da nação. “Um cânone literário que exclui pobres, negros, mulheres, homossexuais, índios e outros é um cânone que nega uma série de vozes, é um cânone que pretende a unidade de um suposto igual” (SANTOS, 2008, p. 15).

Por meio da análise de Macunaíma de Mário de Andrade, do “Poema de sete faces” de Drummond e do recente Cinzas do Norte de Milton Hatoum, a estudiosa destaca a imagem da identidade brasileira como um constante processo de transformação e, por isso, em estado líquido, como diria Bauman (2005). Santos (2008, p. 15) defende que o cânone tradicional não consegue representar essa mesma fluidez da identidade moderna e, “excluindo outras vozes, esquece o passado – e o presente – de conflitos”. A autora sugere uma postura que se distancie da preocupação com a nacionalidade. “O exercício de outras composições canônicas que se distanciem da nação talvez contribua para pensarmos melhor inclusive sobre a identidade nacional” (SANTOS, 2008, p. 23).

Já o professor Luiz Eduardo Oliveira problematiza a institucionalização do ensino de literatura, relacionando-o ao processo de construção das identidades nacionais. Em “O ensino de literatura e a identidade nacional: o caso brasileiro”, o estudioso traça um perfil histórico do surgimento do ensino de literatura, desde as suas origens no Brasil oitocentista, quando retórica e poética se confundiam nos programas pedagógicos do Imperial Colégio de Pedro II, até o quadro atual.

Oliveira argumenta que o método de ensino voltado para a história literária, privilegiando o contexto da obra ao invés da formação de leitores, surgiu no seio escolar com a finalidade de “construir, consolidar e manter o cânone, e assim uma identidade nacional” (OLIVEIRA, 2008, p. 42).  De acordo com o pesquisador, é necessário “repensar as reformas curriculares – principalmente as mais recentes, relacionadas ao ensino de literatura -, levando-se em conta não somente os avanços ou transformações do saber acadêmico, mas também o papel da escola em todo processo” (OLIVEIRA, 2008, p. 42).

Sob um outro viés teórico, Regina Zilberman, partindo do caso grego, também destaca o papel do ensino de literatura para a formação de padrões de identificação nacional. Em “Literatura, escola e leitura”, a autora destaca que na antiguidade clássica as histórias da Ilíada e Odisséia narradas para a população eram imprescindíveis para que o povo grego pudesse “se perceber como uma comunidade, detentora tanto de um passado comum, quanto de uma promessa de futuro, e que constituía uma história que integrava os vários grupos étnicos, geográficos e lingüísticos da Grécia” (ZILBERMAN, 2008, p. 46).

Acertadamente, Zilberman ainda adverte para o contexto de crise que delineia o quadro atual da formação de leitores nas escolas brasileiras. A estudiosa explica que o ensino de literatura perdeu a eficácia pedagógica, devido aos projetos elaborados nas últimas décadas visando à formação acelerada de mão-de-obra para a industrialização. Na opinião da pesquisadora, o ensino de literatura deve se responsabilizar pela formação de leitores, pois a “leitura sugere outra faceta educativa da literatura: o texto artístico talvez não ensine nada, nem queira fazê-lo, mas seu consumo induz a práticas socializantes, que, estimuladas, mostram-se democráticas, porque igualitárias” (ZILBERMAN, 2008, p. 54).

Essa preocupação com o ensino voltado para a formação de leitores será retomada por Marisa Lajolo em “Leitores e leitura escolar nos estudos literários”. Partindo de reflexões da estética da recepção, Lajolo defende a legitimidade de pesquisas voltadas para as práticas escolares de leitura e literatura como objetos da teoria literária, destacando o trabalho com “histórias de leitura” na formação de leitores.

 

A hipótese é que um mergulho profundo e destemido em nossa história de leitura pode acompanhar-se de um projeto de levantamento de uma história de leitura da comunidade na qual (ou para a qual) exercemos nossa função de “profissionais de leitura”. (LAJOLO, 2008, p. 70)

 

Também ligada à preocupação com a formação de leitores, agora sob o viés do ensino de inglês como língua estrangeira, a abordagem de Ildney Cavalcanti (2008, p. 75-96), discutida em “Atitudes, latitudes, interlúdios, altitudes”, elabora a tradução como prática pedagógica orientada por uma crítica da cultura. Essa postura parte, segundo a pesquisadora, de três pressupostos: o primeiro enfoca o papel da tradução como um ato especial de leitura e interpretação, o segundo destaca o ato de traduzir como uma prática comunicativa e o terceiro argumenta que os moldes tradicionais de leitura e tradução devem ser substituídos por perspectivas renovadas e críticas.

Cavalcanti expõe didaticamente essa nova postura pedagógica com o exemplo da tradução de Cecília Meireles para o romance Orlando de Virgínia Woolf. Confrontando os dois textos, o de Cecília Meireles e o de Virgínia Woolf, a pesquisadora acentua o papel da dupla produção de textos, inerentes ao processo de tradução. Ao mesmo tempo, o estudante de língua estrangeira produz dois textos: um com a interpretação da obra em língua inglesa e o outro com a escrita do equivalente em língua materna. Para a autora, a leitura literária centrada em atividades de tradução crítica oferece “os meios para que exercitemos [...] uma conscientização sobre o Terceiro Espaço da cultura, implicando uma maior sensibilidade sobre os limites da enunciação e a falta de unidade nos sentidos e signos” (CAVALCANTI, 2008, p. 90).

Assim como propõe Cavalcanti ao examinar a prática da tradução como uma atividade de leitura e interpretação, os três últimos trabalhos da coletânea tratam de abordagens de leitura da obra literária já bastante disseminadas nas academias brasileiras.

A primeira abordagem é articulada pela análise do discurso. Partindo do papel social da arte, em especial da literatura, Belmira Magalhães defende que “o contato com a literatura possibilita que os estudantes aprendam a ler o mundo, a entender as relações sociais e, mais ainda, a se perceberem como parte da humanidade” (MAGALHÃES, 2008, p. 97). Para a autora, a leitura literária deve partir da relação entre o discurso literário e a realidade social.

A autora exemplifica essa metodologia de abordagem, Magalhães analise as relações de poder inscritas na estrutura profunda do conto “Maldade” do escritor alagoano Aloísio de Melo, “mostrando” nas marcas textuais, no sentido dado por Antonio Candido, que “a grande maldade expressa no conto não é a explicitação do problema, mas os efeitos das contradições sociais” (MAGALHÃES, 2008, p. 107).

Outra importante corrente de estudos da literatura nos centros acadêmicos do país é explorada por Carlos Magno Gomes. O estudioso analisa o romance A força do destino de Nélida Piñon a partir do diálogo que a obra estabelece com a ópera homônima de Giuseppe Verdi. A perspectiva em questão é a literatura comparada que, principalmente nas obras pós-modernas, como frisa Gomes, pode ser aplicada como uma estratégia de ensino voltada para a compreensão do diálogo intertextual entre o texto literário e os demais ramos da arte e do repertório cultural do leitor modelo de Umberto Eco (GOMES, 2008, p. 116).

No exemplo analisado por Gomes, Piñon estabelece uma relação paródica com a ópera de Verdi. Para o autor, “nesse jogo intertextual, essa versão paródica torna-se autêntica quando pensamos na idéia do texto parodiado como a de um filho buscando legitimidade social” (GOMES, 2008, p. 120). Esse campo de estudo proporcionaria um duplo movimento de leitura que “amplia a capacidade do leitor de desenvolver habilidades de comparação e avaliação estética de um texto literário” (GOMES, 2008, p. 117).

Por fim, fechando a coletânea de artigos, Ana Leal Cardoso em “Os mitos e seus ensinamentos através dos tempos” fala da interseção do estudo de literatura e da psicanálise. Estudiosa das representações de gênero na literatura, Cardoso divide seu trabalho em dois momentos: o primeiro voltado para a exposição de como os conceitos de mito podem ser aplicados para a interpretação do texto literário e o segundo direcionado para a exemplificação dessa metodologia com a análise do romance A sombra do patriarca da escritora sergipana Alina Paim.

Cardoso, baseada nos aportes teóricos da psicologia analítica e da crítica neo-junguiana Annis Pratt, defende que “a literatura de todos os tempos – construída em pilares míticos e simbólicos – expressa imagens arquetípicas que sustentam a tese de um núcleo estrutural temático arquetípico no objeto literário” (CARDOSO, 2008, p. 134). No estudo do romance, essa abordagem fica mais evidente quando a estudiosa empreende a análise da identidade feminina da personagem Raquel em que, ao contrário da tradição, a escritora sergipana elabora uma mulher que rompe com os padrões sociais, subvertendo a ordem do patriarcado.

 Encerrado esse percurso, da problematização da escolha dos textos canônicos para o ensino de literatura à abordagem de leitura literária via representações míticas, o leitor apreende o significado abrangente da iniciativa dos professores do NPGL da UFS: traçar um perfil global do ensino de literatura nas universidades brasileiras. Quem empreende esse itinerário teórico se dá conta da multiplicidade de questões que podem ser articuladas na aproximação, ainda que conflituosa, entre literatura e ensino.

Segundo Roberto Acízelo de Souza, que prefaciou a obra, o trabalho dos professores do NPGL da UFS fornece um panorama do atual estado dos estudos de literatura nas universidades brasileiras, ampliando os horizontes de ensino e adequando-os às atuais necessidades da formação em Letras. “Verifica-se saudável pluralismo, representadas que estão, nos seus encontros e desencontros, a perspectiva relativista [estudos culturais] e as aspirações universalistas [estudos literários] no campo das pesquisas acadêmicas” (SOUZA, 2008, p. 5-6).

É evidente que essa preocupação com a formação de professores é compartilhada com estudiosos de todo o país, seja pela lista de doutores de várias regiões do país que contribuíram com a obra, seja pelas abordagens teóricas que os autores apresentam, demonstrando a abrangência de perspectivas de análise para o texto literário. O livro vem suprir uma necessidade do mercado editorial que é carente de obras que discutam os aspectos teóricos e culturais envolvidos na prática pedagógica.

Como se pôde observar ao longo da leitura de suas páginas, as discussões apresentadas são, em vários momentos, exemplificadas com análises detalhadas de obras de escritores canônicos e não-canônicos. O docente do ensino médio ou superior que deseja se armar de um arsenal teórico amplo e diverso terá em Literatura & Ensino um aporte metodológico rico e fecundo que lhe proporcionará uma visão abrangente do que a academia produz atualmente em termos de teoria literária.

 

Referências

 

CARDOSO, Ana Leal. Os mitos e seus ensinamentos através dos tempos. In: SANTOS, Josalba Fabiana dos; OLIVEIRA, Luiz Eduardo (orgs.). Literatura e Ensino. Maceió: EDUFAL, 2008, p. 129-145.

CAVALCANTI, Ildney. Atitudes, latitudes, interlúdios, altitudes: reflexões sobre a tradução e o ensino de inglês como língua estrangeira. In: SANTOS, Josalba Fabiana dos; OLIVEIRA, Luiz Eduardo (orgs.). Literatura e Ensino. Maceió: EDUFAL, 2008, p. 75-96.

GOMES, Carlos Magno. O leitor modelo da narrativa pós-moderna. In: SANTOS, Josalba Fabiana dos; OLIVEIRA, Luiz Eduardo (orgs.). Literatura e Ensino. Maceió: EDUFAL, 2008, p. 117-128.

LAJOLO, Marisa. Leitores e leitura escolar nos estudos literários. In: SANTOS, Josalba Fabiana dos; OLIVEIRA, Luiz Eduardo (orgs.). Literatura e Ensino. Maceió: EDUFAL, 2008, p. 61-73.

MAGALHÃES, Belmira. Ensino, Literatura e Discurso. In: SANTOS, Josalba Fabiana dos; OLIVEIRA, Luiz Eduardo (orgs.). Literatura e Ensino. Maceió: EDUFAL, 2008, p. 97-115.

OLIVEIRA, Luiz Eduardo. O ensino de Literatura e a identidade nacional: o caso brasileiro. In: SANTOS, Josalba Fabiana dos; OLIVEIRA, Luiz Eduardo (orgs.). Literatura e Ensino. Maceió: EDUFAL, 2008, p. 27-42.

SANTOS, Josalba Fabiana de. Cânone Literário e Identidade Nacional. In: SANTOS, Josalba Fabiana dos; OLIVEIRA, Luiz Eduardo (orgs.). Literatura e Ensino. Maceió: EDUFAL, 2008, p. 9-26.

SOUZA, Roberto Acízelo de. Prefácio. In: SANTOS, Josalba Fabiana dos; OLIVEIRA, Luiz Eduardo (orgs.). Literatura e Ensino. Maceió: EDUFAL, 2008, p. 5-6.

ZILBERMAN, Regina. Literatura, escola e leitura. In: SANTOS, Josalba Fabiana dos; OLIVEIRA, Luiz Eduardo (orgs.). Literatura e Ensino. Maceió: EDUFAL, 2008, p. 45-60.


 


[1] Graduado em Letras Português pela UFS e aluno especial do mestrado em Letras na mesma universidade. (Email: amael.oliveira@aracaju.se.gov.br)


 

 

 

 

 

Todos os textos publicados podem ser livremente reproduzidos
 

 

 

Creative Commons License

 

Todos os textos publicados podem ser livremente reproduzidos, desde que sem fins lucrativos, em sua versão integral e com a correta menção ao nome do autor e ao endereço deste site.